Leoa é vista amamentando um filhote de leopardo. É o primeiro registro da história

Fotografias divulgadas em uma área de vida selvagem da Tanzânia mostram um filhote de leopardo amamentando em uma leoa. Sim, você leu certo.

As fotos foram tiradas por um hóspede em um chalé na Área de Conservação de Ngorongoro, um Patrimônio Mundial das Nações Unidas, em 2017. (Desde então, outro caso de uma leoa amamentando um filhote de leopardo foi observado, sobre o qual você pode ler abaixo)

Ingela Jansson, chefe do grupo de conservação KopeLion, disse à Associated Press que a leoa em lactação pode ter perdido seus próprios filhotes e, portanto, estava aberta para alimentar o filhote de leopardo. O leopardo, entretanto, parecia ter perdido sua mãe.

“Observar algo como isso é muito incomum”, comentou Jansson, descrevendo de forma jocosa o caso extraordinário de como um caso de “confusão no supermercado” em que o leão “pegou a criança errada”.

A leoa em lactação pode ter perdido seus próprios filhotes. Foto: Joop van der Linde / Ndutu Safari Lodge via AP

Gatos selvagens e outros animais da mesma espécie são conhecidos por ocasionalmente adotar e amamentar filhotes que não são seus, e alguns pássaros também foram observados alimentando filhotes de outra espécie cujos ovos foram inadvertidamente colocados em seus ninhos.

Mas esse tipo de amamentação entre espécies é extremamente raro no caso de gatos selvagens, de acordo com um comunicado do Panthera, um grupo de conservação de gatos selvagens com sede em Nova York.

“É realmente misterioso”, disse Luke Hunter, presidente e diretor de conservação da Panthera, sobre as novas imagens. Segundo ele, não estava claro se a mãe do leopardo ainda estava por perto e poderia resgatar o filhote da “creche da leoa”, o que teria sido o melhor resultado possível.

O relacionamento incomum durou cerca de um dia. Foto: Joop van der Linde / Ndutu Safari Lodge via AP

No entanto, Hunter advertiu que “as probabilidades naturais estão contra esse pequeno sujeito”, que pode ter sido morto por outros leões que reconheceram que não era um dos seus. Ele acrescentou que, mesmo em circunstâncias normais, apenas 40 por cento dos filhotes de leões na área, que faz parte do ecossistema do Serengeti, sobrevivem ao primeiro ano.

E, de fato, o leão foi visto andando com outros leões no dia seguinte, mas sem filhotes de qualquer tipo por perto.

Recentemente, outro caso parecido também foi registrado n oparque.

O filhote tinha cerca de 2 meses de idade e orelhas peludas e olhos azuis – um garotinho adorável. A leoa passou semanas amamentando e alimentando-o, tratando-o como se fosse um de seus dois filhos, que tinham mais ou menos a mesma idade. Apesar de todo o cuidado, o pequeno leopardo morreu algumas semanas depois.

Uma leoa com seu leopardo adotivo e filho biológico no Parque Nacional de Gir em Gujarat, Índia. Foto: Dheeraj Mittal

O que tornou a descoberta incomum ainda mais interessante é que os leões e leopardos do Parque Nacional de Gir normalmente não se dão bem. Em absoluto.

“Eles competem entre si” por espaço e comida, disse Stotra Chakrabarti, pesquisadora de pós-doutorado na Universidade de Minnesota que estuda o comportamento animal. “Eles estão em perpétua rivalidade.”

Dr. Chakrabarti e outros detalharam o caso na revista ecológica Ecosphere. Seus colegas autores incluíam um oficial de conservação e um guarda florestal, que avistou a família incomum pela primeira vez no final de dezembro de 2018, perto de um antílope nilgai recém-morto.

Por seis semanas, a equipe observou a mãe leoa, seus dois filhotes e o leopardo vagarem pelo Parque Nacional de Gir. “A leoa cuidou dele como se fosse dela”, cuidando dele e dividindo a carne de suas caçadas, disse Chakrabarti.

Os novos irmãos do pequeno companheiro foram igualmente acolhedores, brincando com seu novo amigo e, ocasionalmente, seguindo-o em árvores. Uma foto mostra o filhote de leopardo pulando na cabeça de um de seus irmãos adotivos, que tem quase o dobro de seu tamanho e é claramente um bom esportista. “Pareciam dois filhotes grandes e um pequenino filhote da ninhada”, disse Chakrabarti.

O caso está entre três avistamentos documentados de adoção interespécies na natureza. Foto: Dheeraj Mittal

Este “foi certamente o momento mais “UAU” que já encontrei”, disse o Dr. Chakrabarti, que estuda os leões de Gir há quase sete anos. Seus colegas pesquisadores de um projeto de conservação de leões asiáticos na Índia, alguns dos quais observaram os grandes felinos por décadas, “também não viram nada parecido”, ressaltou.

Ao contrário de suas contrapartes na África, os leões asiáticos vivem em pequenos grupos segregados por sexo, nos quais as leoas geralmente se separam do resto do bando por alguns meses após o parto e criam seus filhos por conta própria. Se a família improvisada interagisse mais com outros leões adultos, o leopardo poderia ter sido identificado como um impostor, observou o Dr. Chakrabarti.

Mas eles nunca deveriam ver o que teria acontecido em tal situação, pois depois de cerca de 6 semanas, os pesquisadores encontraram o cadáver do filhote de leopardo perto de um bebedouro. Uma necropsia de campo foi feita, revelando que ele provavelmente havia morrido por causa de uma hérnia femoral que tinha desde o nascimento.

“Teria sido fantástico ver, quando o filhote de leopardo crescesse, como as coisas seriam”, disse Chakrabarti. “Mas isso não aconteceu.”